Engenharia de produção é área coringa para a Indústria

Profissional multidisciplinar atua em áreas estratégicas que vão do setor financeiro à logística e produção industrial

Para quem está buscando uma formação profissional com grandes chances de contratação e atuação profissional para os próximos cinco anos, a Engenharia de Produção está entre as melhores escolhas do momento. “O mercado de trabalho para o futuro Engenheiro de Produção tem se mostrado aquecido nos últimos anos, principalmente pela necessidade da Industria 4.0, com muita tecnologia, automação e análise de dados. Com todos esses pilares, o Engenheiro de Produção pode escolher a área com maior afinidade, entrando em setores que vão da logística à cadeira produtiva e de suprimentos”, diz Cassiana Fagundes da Silva, coordenadora do curso de Engenharia de Produção na unidade São José dos Pinhais das Faculdades da Indústria. 

Cassiana explica ainda que esse tipo de graduação é direcionado, especialmente, para pessoas com alto potencial de proatividade, interessadas em aprender sobre processos produtivos e que queiram atuar na área da indústria 4.0 envolvendo robótica, questões logísticas, qualidade de produtos e cadeira de suprimentos.

Em relação aos ganhos salariais, a engenharia de produção está entre as profissões mais bem pagas do Brasil, com salários iniciais acima dos R$ 4.000,00. Segundo dados do portal Educa Mais Brasil, trainees em empresas de grande porte podem iniciar a profissão com remuneração na casa dos R$ 4.700,00, chegando ao nível master com salários que superam os R$ 10.000,00. 

Entre os diferenciais das Faculdades da Indústria do Sistema Fiep estão as Jornadas de Aprendizagem. Intercâmbio acadêmico-industrial para o exercício da prática profissional desde o primeiro período da graduação. “Por meio das nossas Jornadas de Aprendizagem, temos parcerias com diversas indústrias possibilitando que nossos alunos, durante a sua vida acadêmica, tenham contato com diferentes segmentos industriais que oportunizam a aplicação dos conceitos teóricos à prática industrial, solucionando problemas reais das indústrias e colaborando para o desenvolvimento do trabalho em equipe, tão importante nos dias de hoje, além do desenvolvimento de hard e soft skills alinhadas às áreas em que desejam atuar”, acrescenta. 

Fabricação com Erro Zero: trabalho minucioso com a Engenharia de Produção 

Exemplo recente de formação profissional para o setor industrial com foco na Engenharia de Produção é o acadêmico Maikon Branco, líder do setor de bioválvulas da GEMÜ do Brasil. Recentemente, ele trabalhou no projeto de polimento mecânico e eletropolimento de todas as válvulas da linha de geração e produção de água pura (PW) e água de injetável (WFI) do Centro de Produção Multipropósito de Vacinas (CPMV) do Instituto Butantan, em São Paulo, para produção da vacina nacional contra a Covid-19, conhecida como “Butanvac”. 

Seguindo preceitos do chamado erro zero, técnica que aprendeu na sede da multinacional, na Alemanha, Maikon teve como missão eliminar toda e qualquer possibilidade de contaminação por acúmulo de líquido no interior das válvulas por onde passarão os insumos da vacina. 

“Nesse caso do Butantan, em específico, os blocos vieram industrializados da Alemanha, já fabricados com todas as saídas por onde passarão os insumos da vacina. Eu realizei a finalização do projeto aqui no Brasil, trabalhando com o chamado erro zero. Nenhuma porosidade pode existir, para que nenhuma substância e/ou bactéria possa se propagar e venha a comprometer a produção da vacina”, explica Maikon, que desabafa em relação à responsabilidade para executar a atividade. “Existe um peso muito grande, porque é um trabalho muito minucioso e que não pode apresentar nenhuma falha. A margem de erro é zero. Sinto o peso dessa responsabilidade, ainda mais sabendo que todos os meus compatriotas poderão ser vacinados ao longo de toda a vida com a vacina que passará por essas válvulas que passaram pelas minhas mãos. Um trabalho simples, minucioso e, ao mesmo tempo, muito complexo”. 

Para Maikon, aplicar o erro zero atrelado ao conhecimento obtido a partir da Engenharia de Produção tem sido fundamental para o desenvolvimento da sua atividade. “Eu já tinha muita experiência no ramo industrial, mas o conhecimento que estou adquirindo na minha graduação tem me ajudado muito. A Engenharia de Produção é uma área bastante abrangente e vai muito ao encontro do meu trabalho e da necessidade da indústria. Essa graduação tem ampliado muito a minha visão em relação ao mercado industrial e me deixado muito mais rápido em relação às respostas que eu preciso dar para os problemas do dia a dia. Meu raciocínio está muito mais veloz para antever e resolver os problemas de maneira correta”, comenta. 

Se você ficou curioso(a) e quer saber mais sobre esse trabalho desenvolvido pelo Maikon, nosso acadêmico no curso de Engenharia de Produção, clique aqui. 

Vestibular de Inverno com inscrições abertas 

Se você também se interessou pela Engenharia de Produção, curso coringa e com grade multidisciplinar para atuação em áreas como produção, gestão financeira e econômica, estratégia, logística, qualidade, inovação, gestão de pessoas e tecnologias aplicadas na indústria 4.0, aproveite para fazer a sua inscrição no Vestibular de Inverno, com vagas para o curso de Engenharia de Produção no campus de Curitiba e São José dos Pinhais.