Habilidade técnicas e comportamentais somam para o futuro do trabalho

Mariana Reis, consultora internacional de recrutamento e carreira, dá dicas para se destacar profissionalmente

Você já ouviu falar em metaverso, 5G, nova geração da internet e a influência de tudo isso no mercado e no mundo consumidor? Se não, é bom você ficar atento. Segundo Mariana Reis, consultora internacional de recrutamento e carreira para o mercado nacional, europeu e asiático, estar atento e alinhado às novas tendências do mercado, tendo iniciativa para se antecipar ao que vem por aí é fundamental para quem quer sobreviver e se destacar. “É muito importante prestarmos atenção às tendências de transformação digital que estão impactando as indústrias hoje”, disse ela durante a live de lançamento da 2ª edição do Programa de Mentoria das Faculdades da Indústria do Sistema Fiep. 

Entre outros apontamentos, Mariana trouxe dados do estudo publicado pelo Fórum Econômico Mundial em 2020, mostrando que a pandemia acelerou alguns processos que já vinham acontecendo no mercado corporativo, como crescimento de 83% no trabalho remoto e 84% na digitalização dos negócios. A publicação também informa que mais de um bilhão de empregos, quase um terço de todos os empregos em todo mundo, serão transformados pela tecnologia na próxima década e, até 2025, 97 milhões de novos empregos vão aparecer em áreas como cuidados com a saúde, tecnologias da quarta revolução industrial e criação de conteúdo. “Esses números apontam para uma oferta maior de trabalho do que temos hoje, mas com mudanças no escopo das funções muito relacionadas à tecnologia, transformação digital e digitalização do negócio”, explica Mariana. “Neste contexto, os profissionais precisam se antecipar e se qualificar para atender as demandas do mercado, antevendo e se antecipando às tendências e às mudanças”, acrescentou. 

Por outro lado, a especialista pondera que a tecnologia sozinha não muda nada nem ninguém. “A transformação no mercado só vai acontecer por meio da transformação das pessoas”, afirma. 

Segundo ela, Transformação Digital é o resultado da soma entre ferramenta tecnológica e mudança de modelo mental para o novo, para a melhoria dos processos e para se permitir estar em um estado de vulnerabilidade que possibilite fazer algo de uma forma diferente. “Eu recomendo que as pessoas sigam para o mercado com um modelo mental aberto, para que se antecipem às demandas. O profissional do futuro é aquele que está acompanhando as tendências de transformação digital dentro da sua área de atuação e está tendo flexibilidade para se antecipar e se adaptar às demandas. As características mais importantes do profissional do futuro são a flexibilidade e a adaptabilidade”. 

A consultora de carreiras também revelou que, hoje, o mercado igualou as habilidades técnicas e as habilidades comportamentais que, segundo ela, tem muita relação com o saber fazer. “Habilidade comportamental é a capacidade de transformar conhecimento em ação”, explica Mariana. “Hoje, o mercado é muito prático. Os gestores e recrutadores querem saber o que você faria, como você reagiria e como você sairia de determinada situação. O mercado está querendo verbo! Qual a sua ação, o seu comportamento e a sua atitude para você sair de determinada situação. O conhecimento técnico e a capacidade de saber fazer acontecer ganham o mesmo peso e ambos são muito importantes”, destacou. 

Maria Reis também listou as principais habilidades técnicas e comportamentais mais procuradas hoje pelo mercado. 

Habilidades Comportamentais: 

  1. Espírito de servir e colaborar com próximo; 

  1. Capacidade de autogestão - está relacionada com a capacidade de priorizar tarefas, organizar o dia a dia e estabelecer limites dentro do ambiente em que o profissional está inserido, apresentando bom desempenho tanto no trabalho remoto quanto no presencial; 

  1. Vulnerabilidade para inovação - o mercado busca profissionais abertos para inovar e isso quer dizer fazer algo diferente. A inovação, muitas vezes, está no processo e, para isso, precisamos nos permitir estar em vulnerabilidade para melhorarmos o processo e fazermos algo diferente; 

  1. Criatividade, originalidade e iniciativa; 

  1. Perfil articulador, que conecta pessoas em prol de um objetivo e de um resultado. Aqui, estamos falando daquele colaborador que sabe transformar conhecimento em ação, que sabe ter proatividade, que tem bom relacionamento e que faz networking; 

  1. Perfil flexível, open minded e não resistente. Flexibilidade e adaptabilidade estão entre as principais habilidades buscadas hoje pelo mercado. Mariana lembra que a única certeza que temos é que o mercado está em constante mudança e evolução. “O mercado nunca precisou tanto de profissionais que sejam flexíveis e tenham capacidade e habilidade para se adaptar ao novo”, disse ela. “Na minha opinião, o profissional que mais tiver comportamento de flexibilidade e open minded intrínseco em si será aquele que mais vai se destacar perante o mercado”, afirmou. 

  1. Inteligência emocional, tendo como base o autoconhecimento. 

 

Habilidades técnicas: 

  1. Perfil com fluência na linguagem digital, olhar voltado às tendências da sua área de atuação, sabendo como o 5G, a IoT e o metaverso influenciam no cenário em que está inserido; 

  1. Perfil analítico cenarista, entendendo o negócio da empresa e tudo o que afeta o desempenho da indústria em que está inserido: “o profissional deve estar atento aos impactos políticos e econômicos do cenário nacional e mundial e a relação de tudo isso com a sua área de atuação e o mercado/setor em que a indústria em que trabalha está inserida”, acrescentou; 

  1. Nunca se contente apenas com a sua área de atuação: “se você quer ser um superprofissional e se destacar, você precisa ter uma visão macro, 360º de como a empresa onde você trabalha ou vai trabalhar ganha dinheiro e pode se diferenciar no mercado”, disse Mariana. 

  1. Perfil curador de informações e conhecimento. Atenção ao tipo de conteúdo que você está consumindo; 

  1. Gestão de processos, projetos e risco apurado. 

“Os profissionais mais bem avaliados no mercado hoje têm uma visão incrível para melhoria de processos. Seja um questionador e pense em como você poderia fazer diferente, diminuindo custos e aumentando resultados”, acrescento a consultora. “Criatividade é comportamento e inovação é processo. Se você quer inovar, transforme a sua ideia em um processo e tenha pensamento crítico para a melhoria de processos”, finalizou. 

Durante a live, Maria também destacou que o profissional do futuro está caminhando ao encontro dos pilares do Protagonismo de Carreira, tratando a carreira com autorresponsabilidade e investindo em autoconhecimento, marca pessoal, humildade para aprender e ensinar, networking e relacionamento, além de buscar por novas experiências e qualificação. 

“Procure saber quais são as suas cinco forças e fraquezas técnicas e comportamentais. O mercado está avaliando isso e o primeiro passo para você se vender é ter domínio e conhecimento sobre estas informações”, disse. “Entenda quais são suas forçar e fraquezas técnicas e comportamentais de maneira separada, destacando com exemplos práticos. Os recrutadores só vão focar nas suas fraquezas se você não os convencer das suas forças”, alertou Mariana. “Esse é o primeiro passo para passar em qualquer processo seletivo”, revelou ela. 

 

Comunique com assertividade a sua intenção profissional: 

Maria Reis também disse que posicionamento profissional só se constrói com repetição. Saber como as pessoas lembram de você profissionalmente também é muito importante. “Se as pessoas sabem quem você é, o que você está fazendo e quais são as suas aspirações profissionais, você tende a se conectar com mais oportunidades e, deste modo, a oportunidade chega até você. Quanto mais comunicar a sua intenção profissional, melhor”, diz. 

Por outro lado, a falta de alinhamento na abordagem está entre os grandes problemas das pessoas que não conseguem se recolocar. “O seu currículo precisa estar alinhado com seu LinkedIn, com a sua apresentação profissional e com o conteúdo que você está gerando profissionalmente. Isso dá credibilidade de transparência para o recrutador”, disse ela que também alertou sobre a importância de se investir em networking e relacionamento. “Relacionamento é investir seu tempo e a sua energia em pessoas certas. Um bom relacionamento é baseado em uma relação de troca e, hoje, no mercado, relacionamento é um dos principais pilares da carreira. Quem cultiva relacionamentos abre muitas portas para o futuro”, afirmou. 

 

As experiências e os aprendizados também contam: 

Para Mariana, quem tiver mais história para contar vai sair na frente no mercado de trabalho. “Sei que as Faculdades da Indústria são uma instituição muito voltada para a prática e para a aplicabilidade profissional e isso é ótimo. Faz muita diferença no mercado”, disse ela. 

"Se você quer ser protagonista da sua história e da sua carreira, não transfira o protagonismo para ninguém. A empresa e os colegas estão para apoiar, mas a responsabilidade é sua, não da empresa. Não pule etapa, porque tudo o que vem antes do tempo vai antes do tempo também”, finalizou. 

 

Mariana Reis fará módulo exclusivo com alunos participantes do Programa de Mentoria: 

Os acadêmicos aprovados para a 2ª edição do Programa de Mentoria das Faculdades da Indústria do Sistema Fiep terão um módulo exclusivo sobre Carreira e Orientação Profissional com Mariana Reis.  

“Vou dedicar um módulo exclusivo sobre currículo, LinkedIn e preparação para entrevista, revelando tudo o que os recrutadores observam durante um processo de recrutamento e seleção”, disse ela. 

O Módulo com Maria Reis também vai contemplar o contexto do mercado de trabalho, as principais tendencias e agendas discutidas no mundo corporativo, além das principais habilidades técnicas e comportamentais do profissional do futuro e dicas práticas de LinkedIn e currículo. 

“Sociedade 5.0, muito embasadas na tecnologia, mas olhando as questões climáticas e sociais e utilizando a tecnologia para melhorar o convívio social, além de políticas de ESG bem definidas também vão nortear o futuro do trabalho”, explicou Mariana, que finalizou alertando sobre a importância de se estar atento às mudanças e tendências do mercado. “Não basta apenas se qualificar. Vai sair na frente quem se antecipar para se qualificar, estando alinhado às tendências de mercado e tendo iniciativa para se antecipar para as demandas”, finalizou. 

As inscrições para a 2ª edição do Programa de Mentoria podem ser feitas no período de 9 a 24 de março, por meio deste link. As vagas são limitadas e, para ser aprovado, os alunos interessados devem atender a todos os critérios do Edital que está disponível aqui. 

Para saber mais sobre o Programa de Mentoria, clique aqui.